de Zé Ramalho
sobre Zé Ramalho
notícias
 
de Zé Ramalho

Porta secreta
Zé Ramalho - 14/11/2005

Depoimento
Jorge Salomão - 17/02/1998

Pássaro cativo
Zé Ramalho

Peleja de Zé do Caixão com o cantor Zé Ramalho
Zé Ramalho

Sete poemas familiares
Zé Ramalho

Filhos do câncer
Zé Ramalho

Incidências de luz
Zé Ramalho

Desafios
Zé Ramalho

anterior próximo
Filhos do câncer

Carne de Pescoço
Zé Ramalho

disseram que Zarathustra
falava tudo o que já haviam antes
escutado os pais e avós

meu sono está inquieto
enquanto fumo me roubam o sono
e quero mais acabar
da melhor maneira possível
o modo de consumir
as coisas que mais proibidas
mais tornam atraentes
que temo a passagem mais larga

demais grande e desigual
como se todos todas correntes
do rio pudesse arrastar

ninguém mais pode fugir
das coisas boas daqui
é ruim quem não trouxe saudade
fez do segredo a maldade
enxotou-se na cidade
e fez do velho progresso
que ninguém mais quis fugir
a felicidade arriscada
em seis metros de iludir

o mágico chega
com seus passes estranhos

com seus olhos de povo
conduzindo rebanhos

retirando animais
dentro da roupa suja

com seus dedos de louco
impedindo que fujam

nadando na meia-noite
bebendo no meio-dia
tomando banhos de cor
dormindo na ventania

como um mendigo
embriagado e úmido
procurou licores
e engoliu amores

o narcótico manso
roubei lá das flores
e o motivo descanso
me trouxe procuras
ruelas escuras
entre noites e sombras
e o estigma morto

os dinossauros imagináveis
aqui desceram as desovas
e tantas provas / tantos enigmas
tantos estigmas / que hoje nutridos
nunca lembrados
nunca cansados
nem mencionados
as edições e partículas
que os vibram e que os passam
que se entregam à gente
que se intrometem na gente
no estranho e curioso equívoco
de tudo que foi ensinado

pois das teclas desses órgãos
soam malditas notas
acôrdos e transações

procuram e se expulsam
num sublime regime
mordem e se devoram
contudo se arremessam

em seguida se arrependem
e intoxicam-se
tornam-se tigres / domáveis
como os da esso
bichanos de estimação
vadios gatos da rua

e os ratos lambem-na nua
enquanto o queijo no chão
esconde uma armadilha
que tende a submissão

por mais que se limpe.., a poeira
ela vem... de novo e pousa

por mais que se lave a roupa
ela fica suja... e mancha

por mais que se queira limpo
algo apodrece... e fede

mesmo porque... tudo que envelhece
se torna verme
volta prá terra
vira sub-solo
crosta do planeta

o estado ruim da matéria
o desenbocar das artérias
o impuro sangue das veias
os poucos pratos da ceia

não bastariam para dizer
tudo que integra e une

tudo que imagino e gasto
tudo que uno e descolo

tudo o que faço e comovo
tudo o que foi e que vi
tudo o que viu e ficou

não queremos que fique
o lado triste das coisas
nem o olho escuro
que veio procurar de uma forma
de veias abertas misturas
mais fortes que a própria morte
mais belos que a mais bonita
mais tristes que harmonia
mais sábios que eternidade
mais filhos que o desejo
do mais alucinado beijo
na força quente do inferno

no rastro a cobra
serpente rainha
demônio vitelo
arrasta a bainha
moleja sozinha
por dentro e por for a
a cobra caminha
medonho segredo
no seu requebrar

na lente da taça
a cor do veneno
no seu sibilar
as sílabas tremem

mulheres e plumas
se enlaçam noturnas
em anéis que sufocam
as presas do tempo
me estás parecendo
que os dentes que mostras
estão rebentados
de tanto picar

além do encanto
da flauta e do cesto
conheço magias de te molestar

não é de maçã
não é de manhã
não é de satã
que eu quero falar

é sim do mistério
das pedras que trago
no meio das pernas para caminhar

aninha teus ovos
nas terras do fogo
nos cacos do povo
repõe a manhã

desperta a sirene
cuidado com o lince
com a água sombria
sapatos e patas
pisadas e socos

a gema tão clara
a casca do ovo
filhotes pequenos

se arrastem bem menos
que as piranhas do rio
que o pecado de adão

o dia vem
e com ele os pássaros

a dança das luzes
e as sombras se escondem

uma profunda quietude... acontece

por entre as veias
um córrego lança sereno
um rio grande e vermelho
na catacumba cardíaca
até que ouve e adormece

os vasos cheios de plantas
todas vistas e nunca tocadas

sobre o sol da terra
sobre a fé dos montes
sobre os horizontes
as estrelas descalças
não sabemos muito
do seu sono brilhante
de astros encadenados
derramando fulgores
entre cada paixão